Conexão / Connection

[For English scroll down]

Photo credit: Pedro Silva 

 

Quando ouvimos o nosso corpo e nos conectamos com a nossa essência, algo mágico acontece! Já sentiram isto alguma vez? Acontece muito durante uma prática de yoga ou durante uma sessão de meditação, mas quando acontece de repente durante o dia, quando paramos e percebemos que estamos aqui, estamos no nosso corpo, no momento presente… é mágico. Aí sim sabemos que as sementes que plantámos, que o rebento de que tão bem cuidámos está a florescer e a brotar.

A minha jornanda no yoga e na meditação começou há mais de 10 anos. Desde então que é uma constante na minha vida, e cada vez mais desde que comecei a ensinar. Se todos os dias são perfeitos e sinto essa conexão? Não, de todo. Durante este tempo tive momentos sombrios, momentos em que encontrar a luz foi difícil. Momentos em que me senti perdida, em que questionei tudo, em que quis partir e não voltar. Mas em todos estes momentos ou fases da vida menos boas, voltei a encontrar-me. Umas vezes mais rapidamente, outras em que demorou mais. E sempre no caminho de regresso aprendi algo que me fez evoluir, que me fez crescer. Que me fez olhar orgulhosamente para trás e perceber que não poderia ser a pessoa que sou hoje sem ter passado pelo que passei.

Acredito que tudo tem um propósito, e tudo acontece por uma razão e quando tem que acontecer. A vida já me mostrou várias vezes que é assim, e que quando acredito tudo se torna mais fácil. Quando abro mão de expectativas e entrego o desfecho ao Universo, tudo se torna mais fácil. Tudo acaba por fluir.

Este último ano foi talvez dos mais difíceis da minha vida. Passei por muita dor física, incerteza, muitas limitações, uma cirurgia bastante invasiva à anca, com a respectiva difícil recuperação, uma mudança de casa e de cidade, um projecto novo de yoga e meditação, tudo com duas crianças pequenas e um trabalho desgastante às costas. Sempre tive fé de que tudo ia correr bem, mesmo quando deixei de acreditar, havia sempre cá no fundo uma luz, por vezes difícil de encontrar. Olho para trás agora e sei que fui uma guerreira. E não é para me gabar, de que não sou mesmo dessas coisas. Mas fui! E continuo a ser! No meio de ainda muita dor e limitação física, continuo a levar a minha vida para a frente, porque sei por onde é o caminho. Sei que tudo o que me acontece tem algo para me ensinar. É nesta aceitação que encontramos a liberdade e que tudo faz sentido.

 

 

 

When we listen to our body and connect with our essence, something magical happens! Have you ever felt this in your life? It happens a lot during a yoga practice or during a meditation session, but when it happens suddenly during the day, when we stop and realize that we are here, we are in our body, in the present moment … it is magic. Then we know that the seeds we have planted, that the seed we so well cared for is blooming.

My journey on yoga and meditation began more than 10 years ago. Since then it has been a constant in my life, and even more since I began teaching. If every day is perfect and I feel that connection? NO! Not at all. During this time I had dark moments, moments when finding the light was difficult. Moments when I felt lost, in which I questioned everything and wanted to leave and not return. But in all these less good times of my life, I found myself again. A few times more quickly, others took longer. And I always learned something that made me evolve, that made me grow. That made me proudly look back and realize that I could not be the person I am today without having gone through what I went through.

I believe that everything has a purpose, and everything happens for a reason and when it has to happen. Life has shown me several times that it works like that, and that when I believe in it everything becomes easier. When I give up expectations and deliver the outcome to the Universe, everything becomes easier. Everything ends up flowing.

This last year was perhaps the most difficult of my life. I went through a lot of physical pain, uncertainty, many limitations, a very invasive surgery to the hip, with a difficult recovery, a change of house and city, a new project of yoga and meditation, all with two small children and an exhausting work. I always had faith that everything was going to be ok, even when I stopped believing, I knew there was always a light somewhere, sometimes difficult to find. I look back now and I know I was a warrior. And this is not to brag, I don’t really like to do it. But I was! And I still am! In the midst so much pain and physical limitations, I continue to move my life forward because I know where the path is. I know that everything that happens has something to teach me. It is in this acceptance that we find freedom and that everything makes sense.

 

 

[Foto por Pedro Silva]

Lidar com a dor / Dealing with pain

[For English scroll down]

Photo credit: Pedro Silva 

Há 8 meses que tenho dores. Dores físicas, emocionais. Dor psicológica, dor espiritual. No princípio era só um incómodo menor e só doía ao fazer certos movimentos. Mas com o tempo começou a ser mais forte e tornou-se permanente. Algo com que aprendi a viver, que se tornou parte de mim. A minha melhor amiga e a minha pior inimiga.

Neste processo, passei por diferentes etapas. Primeiro neguei. Tentei fazer a dor desaparecer, fingi que não estava aqui. Então percebi que não seria assim tão fácil, que não ia embora. Na verdade piorou, chamando cada vez mais a minha atenção, dizendo-me que não iria embora até que eu escutasse o que tinha para me dizer.

Então eu disse: “Ok, o que queres de mim?” Parei e tentei ouvir. Eu estava lá, disposta a isso, mas aparentemente não conseguia entender o que me dizia. Então a dor começou a gritar tão alto que se tornou insuportável. Percebi que era sério, e decidi então expor-me à experiência e perceber as suas mensagens. E uma nova porta se abriu dentro de mim. Uma maneira totalmente nova de olhar para dentro, de aceitar, de lidar com o assunto. Uma viagem que tem sido literalmente dolorosa, mas que me tem ensinado muito.

As coisas acontecem por um motivo e eu realmente acredito nisso. As minhas práticas de yoga e meditação têm-me ajudado muito neste processo, e ainda ajudam, porque esta viagem ainda não acabou, é apenas o início.

Gostava de partilhar com vocês o que me tem ajudado ao longo deste caminho, pois pode ajudar outros também:

1. Movimento – não parem. Eu sempre gostei e senti a necessidade de movimentar o meu corpo, fosse indo ao ginásio, ou praticando yoga, ou caminhando ou correndo. Nestes últimos anos, depois que tive os meus filhos, parei de ir ao ginásio e tenho só praticado yoga em casa. Quando a dor começou na minha articulação sacro-ilíaca e anca, eu tive que parar com minha prática diária de Ashtanga yoga e reconsiderar outras formas de movimentar o meu corpo. Descobri que parar não era uma opção porque isso significava que a energia deixaria de fluir. Então tenho tentado ir ao meu tapete todos os dias ou pelo menos 4-5 vezes por semana para respirar e mover o meu corpo. Seguindo o que o corpo me pede, libertando tensão na parte superior das costas e ombros e em redor dos glúteos. A energia flui e sinto-me muito melhor depois.

2. Meditação – parem e sentem-se com a respiração. Esta prática tem sido bastante terapêutica para mim e uma ferramenta muito importante para me manter sã. Ajudou a aliviar as flutuações da mente e a tendência para racionalizar tudo. Também me permitiu olhar dentro da minha dor e sentar com ela observando-a, em vez de reagir e tentar fugir. Como parte de uma prática de mindfulness, tem-me ajudado a viver o momento presente, uma respiração de cada vez.

3. Psicoterapia – uma ótima ferramenta para olhar para dentro. Perceber de onde vem a dor e quais são suas mensagens. Colocando essas mensagens num contexto mais elevado para que eu possa viver com elas, aprenda com elas e curar-me de todas as formas possíveis. Porque todas as dores têm algo mais para nos ensinar do que o mero aspecto físico.

4. Amor-próprio – ninguém vai amar-vos e cuidar de vocês como vocês próprios. Aprender a aceitar o meu corpo como é, com dor e tudo; amá-lo, sentindo compaixão. Tratando-me como um ser inteiro.

5. Encontrem a vossa essência – e mantenham-se conectados a ela. Aquela parte de quem eu sou que às vezes se perde no meio de estar ocupada, que é esquecida, mas que precisa de conexão. Este processo tem sido extremamente poderoso e curativo para mim.

E agora estou prestes a embarcar noutra viagem ainda, de cura e autodescoberta mais profundas. Mas sobre isso e sobre a minha cirurgia, escreverei noutra altura!

 

I have been in pain for the past 8 months. Physical pain, emotional pain, psychological pain, spiritual pain. At first it was only minor and it hurt only when doing certain movements. But then it started to crawl inside and became permanent. Something I learned to live with. It became part of me. My best friend and my worst enemy. 

I went through different stages. First I denied. I tried to make it go away, pretended that it wasn’t here. Then I realized that it wouldn’t go, it actually got worst, calling my attention, telling me that it would not go away until I listened. 

So I said: ‘ok, what do you want?’ I stopped and tried to listen. I was there, willing, but apparently couldn’t understand what it was saying. So the pain started to scream so loud that it became unbearable. I understood that it was serious and I opened myself to truly understand and comply to its requests. And a whole new door opened inside me. A whole new way of looking inside, of accepting, of dealing with it. A journey in and on itself that has been literally painful but has taught me so much. 

Things do happen for a reason and I truly believe this. My yoga and meditation practice have helped me a lot through this process, and still do. Because this journey isn’t over yet, it’s just the begining.

I would like to share with you what has been helping me along the way, as it may help you too!

1. Movement  – do not stop. I always liked to move my body, either through going to the gym or my yoga practice, or walking or running. In these last few years, after I had my kids I stopped going to the gym and only practiced yoga at home. When the pain in my SI joint/hip started I had to stop my daily strong Ashtanga practice and reconsider other ways to move my body. I found out that stopping is not an option because that means the energy doesn’t flow. So I try to go to my mat every day or at least 4-5 times a week to breathe and move my body. Following what my body asks me to, releasing tension in my upper back and shoulders and around my gluteus. Energy flows, and I feel so much better afterwards.

2. Meditation – stop and sit with your breath. This has been very healing and a very important tool to keep me sane. It has helped ease the fluctuations of my mind and the tendency to rationalize everything. It has also allowed me to look inside my pain and sit with it, instead of reacting to it. As parte of a mindfulness practice, it has taught me to live in the present moment, one breath at a time.

3. Psycotherapy – a great tool to look inside. Understanding where the pain comes from and what are its messages. Placing these messages in a higher context so that I can live with it, learn from it and heal in every way possible. 

4. Self-love – no one will love you and take care of you like yourself. Learning to accept my body as it is, with pain and all; love it, feel compassion for it. Treating myself as a whole being.

5. Find your essence – and stay connected to it. That part of who I am that sometimes gets lost in the midst of being busy, that gets forgotten, but that needs connection. This has been extremely powerful and healing for me.

I am about to embark on a bigger journey of healing and self-discovery with my upcoming hip surgery. But on that I will write another time!

 

Criar Espaço / Create space

[For English scroll down]

Recentemente apercebi-me da necessidade de criar espaço. Criar espaço dentro de mim, do meu corpo, da minha alma, da minha mente, da minha vida. Criar espaço na minha forma de pensar e de ver e sentir as coisas. Criar espaço na minha prática de yoga, no meu trabalho, na forma como educo os meus filhos e me relaciono com os outros.

Apercebi-me de que criar espaço significa parar e sentir e ouvir. Significa abrir-me de forma a que possa seguir os meus sonhos e o meu projecto de vida.

Cada vez me apercebo mais de como esta vida stressante que muitos de nós levamos, sempre com uma lista infindável de a fazeres e de compromissos, não nos deixa muito tempo e espaço para apenas sermos. Para apenas estarmos connosco. Para estarmos presentes e conscientes no que fazemos e dizemos.

Mesmo que pratiquemos yoga e meditação, muitas vezes a prática é apenas mais uma entrada na nossa lista de a fazeres à qual colocamos uma cruz depois de feito. É claro que ajuda porque pelo menos paramos e respiramos nestes momentos.

Mas eu apercebi-me de que a minha prática de yoga estava um pouco a ser feita assim, para colocar um check! Para me fazer sentir bem no meu corpo e mente. Mas que de facto não estava a sentir nem a criar espaço no que estava a fazer. Não estava a conseguir ouvir o que o meu corpo queria e precisava ou se calhar não o queria fazer. Era mais fácil prosseguir com o que me era familiar e antes tinha resultado.

Então parei, e percebi que não estava a criar espaço. Percebi que certas partes do meu corpo estavam fechadas e gritavam para serem ouvidas. É fácil perdermos esta conexão, mesmo depois de anos e anos a praticar e a ensinar yoga. Sim, é fácil. Se é fácil admitir? Não, não é. Mas aqui estou eu a fazê-lo! A admitir e a aceitar que me deixei levar pelo hábito em vez de o fazer com consciência plena. Sem me julgar, sem me culpar, sem me criticar. Se calhar foi mesmo assim que teve que acontecer para que eu me pudesse conhecer um pouco mais!

 

Recently I realized the need to create space. Create space inside myself, my body, my soul, my mind, my life. Create space in my way of thinking and seeing and feeling things. Create space in my yoga practice, in my work, in the way I raise my children and relate to others.

I realized that creating space means stopping and feeling and listening. It means opening myself so that I can follow my dreams and my life project.

This stressful life that many of us live in, always with an endless list of things to do and lots of commitments, does not leave us much time and space to just be. To just be with ourselves. To be fully present and aware of what we do and say.

Even though we practice yoga and meditation, often the practice itself is just another entry on our to do list, to which we put a cross after it is done. Of course it helps because at least we stop and breathe for a moment.

I realized that my yoga practice looked a little like that, just another item on my to do list so that I could put a check on it! To make me feel good in my body and my mind. But in fact I was not feeling or creating space in what I was doing. I could not hear what my body wanted and needed or maybe I did not want to. It was easier to just go on with what was familiar to me, and had worked before.

So I stopped, and realized I was not creating space. I noticed that certain parts of my body were closed and screamed to be heard. It is easy to lose this connection, even after years and years of practicing and teaching yoga. Yes, it is easy. But is it easy to admit? No, it’s not. But here I am doing it! To admit and accept that I let myself be carried away by the habit instead of doing a practice with full consciousness and presence. Without judging me, without blaming myself, without criticizing me. Maybe it was like it was meant to be so that I could learn a bit more about myself!

Solstício de Verão / Summer Solstice

Hoje é o dia mais longo do ano e começa o Verão, a estação do ano preferida de muita gente. Os dias longos e quentes, o tempo de praia, as férias… Esta transição de mais uma estação do ano é mais uma oportunidade de nos conectarmos com os ciclos naturais do planeta em que vivemos. O Solstício de Verão pode ser especialmente marcante, pois é uma altura de celebração da luz no seu expoente máximo, quando estamos mais perto do Sol e do seu calor, do fogo!

É uma altura em que podemos usar a metáfora do fogo para nos vermos livres do que já não nos serve, daquilo com que já não nos identificamos. É o culminar de todo um processo de desabrochar com a chegada da Primavera, mas também de preparação para os dias mais curtos e para o Inverno que hão-de chegar.

É altura de olharmos para dentro e estabelecermos o que queremos para nós e para a nossa vida. De criarmos a nossa lista de intenções, ou revisitarmos a que criámos no início do ano.

Deixo aqui algumas ideias para que este dia não vos passe ao lado.

  • Meditar um pouco de manhã cedo ou ao fim do dia. Meditar não tem que ser complicado, basta sentarem-se nem que seja 1 ou 2 minutos com a vossa respiração. Sentindo e observando os pulmões a encher e esvaziar de ar
  • Escrever em vários pedaços de papel as coisas que já não vos servem: sentimentos, ideias, acontecimentos. Depois queimá-los no fogo, seja numa vela ou numa taça (tendo os devidos cuidados claro!)
  • Fazer uma prática de yoga, conectando o nosso corpo, mente e respiração. Se nunca praticaram, porque não experimentarem uma aula hoje? Hoje celebra-se também o Dia Internacional do Yoga!
  • Passar algum tempo ao ar livre em contacto com a natureza, ou apenas sentindo o sol na pele!

Experimentem criar estes hábitos de conexão com os ciclos, com a Natureza! É tão importante na vida muitas vezes acelerada demais em que vivemos!

 

Today is the longest day of the year and the beginning of Summer, the favorite season for many people. Warm long days, beach time, summer holidays … This transition of yet another season is an excellent opportunity for us to connect with the natural cycles of the planet we live in. The Summer Solstice can be especially striking, for it is a time of celebration of Light in its highest exponent, when we are closest to the Sun and its heat, the fire!

It is a time when we can use the metaphor of fire to free ourselves from what no longer serves us, from what we no longer identify with. It is the culmination of a whole process of blossoming with the arrival of Spring, but also of preparation for the shorter days and for the winter that will arrive.

It is time to look inside us and establish what we want for ourselves and for our life, for creating our list of intentions, or revisiting the one we created earlier this year.

I leave you with some ideas of how you can make this day special to you.

– Meditate a little early in the morning or at the end of the day. Meditation does not have to be complicated, just sit for a minute or two with your breath. Feeling and observing the lungs filling and emptying of air

– Write in various small pieces of paper the things that no longer serve you: feelings, ideas, events. Then burn them in a fire, whether in a candle or in a cup (having proper care of course!)

– Do a yoga practice, connecting our body, mind and breath. If you’ve never practiced, why not try a class today? Today we also celebrate International Yoga Day!

– Spend some time outdoors in contact with nature, or just feel the sun on your skin!

Try to create these habits of connection with cycles, with Nature! It is so important nowadays in our often accelerated lives!

Tomar conta de mim / Take care of myself

Tomar conta de mim tem sido algo que tenho escrito todos os dias como sendo um dos meus objectivos. E há dias em que consigo, outros em que não. O que importa é continuar a tentar até que se torne um hábito.

 

Mas o que implica isto de tomar conta de mim? Implica ouvir o meu corpo e respeitá-lo. Desafiar-me a alcançar novas metas, a vencer medos. Aprender a sentir-me bem no meu corpo e comigo mesma. A nutrir o meu corpo e a minha alma da melhor forma possível. A mexer o meu corpo (o que tem sido difícil nos últimos dois meses por causa da crise de ciática). E talvez tantas outras coisas!

 

O que já percebi é que quando me ignoro, quando me deixo para último lugar, quando resolvo ouvir apenas a minha mente, é quando o meu corpo grita. E se não oiço, ou ignoro, à primeira vez, então grita ainda mais alto. E aí sim sou obrigada a parar tudo e a prestar atenção, e a fazer tudo aquilo que for preciso para curar e para que não volte a acontecer!

 

Taking care of myself has been something I have been writing every day as being one of my goals. And there are days that I am successful, others that I am not. What matters is to keep trying until it becomes a habit, a routine.

 

But what does it mean to take care of myself? It involves listening to my body and respecting it. To challenge myself to reach new goals and to overcome fears. To learn to feel good in my body and with myself. To nourish my body and my soul in the best possible way. To move my body (which has been difficult in the last two months because of a sciatica crisis). And maybe so many other things that are not occurring to me now.

 

What I already noticed is that when I ignore myself, when I leave myself to last, when I decide to listen only to my mind, it is when my body screams. And if I do not hear, or ignore it, the first time, then it screams even louder. And then I have to stop everything and really pay attention, and do whatever it takes to heal myself so that it does not happen again!